Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
análises
The Falconeer

The Falconeer

Chegou recentemente ao PC e à Xbox com vontade de nos levar em grandes voos.

HQ
HQ

Com o adiamento de Halo Infinite, a Microsoft perdeu o seu grande exclusivo para o lançamento da Xbox Series X|S, mas isso não significa que não existam alguns exclusivos nas novas consolas - tendo em conta que no caso da Xbox, a exclusividade inclui também a One e o PC. Um desses jogos é The Falconeer, um jogo peculiar de Tomas Sala.

Nesta aventura vai assumir o papel de um "Falconeer", alguém que tem uma ligação muito próxima com o seu falcão gigante, ao ponto de conseguir usá-lo como montada. A função do Falconeer passa por cuidar por todas as ameaças que venham do ar ou do mar, e existe aqui uma história construída em cima de um mundo que foi claramente pensado e desenvolvido com cuidado. Existem várias fações e alianças, mas apesar de todo esse esforço, a história nunca nos agarrou realmente, sobretudo quando a maior parte das nossas ações passam por destruir frotas piratas umas atrás das outras. O facto de ser possível jogar com qualquer fação é um bónus interessante, mas apenas para quem realmente se sentir investido neste mundo, o que não foi o nosso caso.

A jogabilidade, contudo, tem os seus momentos altos. Voar ao longo do mar ou passar por desfiladeiros apertados, é uma experiência surpreendentemente atmosférica e relaxante. As batalhas em si lembram-nos de Panzer Dragoon, mas de forma geral é uma experiência de jogo tranquila, auxiliada por um design bastante casual das missões. Dito isto, é também algo repetitiva, ao ponto de termos sentido dificuldade em continuar a jogar mais de uma hora de cada vez, tais eram as semelhanças entre missões e cenários.

As missões em si são razoavelmente curtas, mas falta-lhes variedade, resumindo-se normalmente a eliminar certo tipo de inimigos, apanhar um objeto específico, e depois regressar a casa. Alguns tipos de missões podem ser algo desafiantes no início, e repetí-las nunca foi divertido, mas existem formas de melhorar o falcão, com armas e tónicos, que podem baixar um pouco a dificuldade e a frustração destes momentos. O problema? A única forma de melhorar o falcão passa por recolher recursos conforme repete várias missões aborrecidas.

The Falconeer

Os controlos inicialmente também não eram os melhores, mas felizmente isso foi algo que resolvemos com algumas mexidas nas opções. Existem vários elementos que estranhamente beneficiam de uma intervenção do jogador, como a mira, por exemplo. Originalmente a mira é uma simples cruz branca, o que significa que se confunde com muita facilidade com a saúde dos inimigos e até com outros elementos visuais, incluindo nuvens. Como deve calcular, é algo frustrante perder porque não conseguimos realmente perceber para onde estávamos a apontar, mas como já referimos, resolvemos esta questão nas opções.

O estilo visual é um dos destaques de The Falconeer, extremamente bonito em toda a sua simplicidade. A forma como utiliza a chuva, os trovões, e os raios solares, para pintar uma "tela" para o jogador é algo que tem de ser reconhecido, e essa experiência é enriquecida com uma bela banda sonora. The Falconeer tem uma atmosfera capaz de servir vários tipos de humores e sentimentos, desde um voo calmo e agradável, a autênticas batalhas contra os elementos, enrolado em vento e trovoada. O desempenho dos atores infelizmente não foi tão positivo, oscilando entre o razoável e o mediocre, o que é mais um factor a tirar qualidade ao enredo.

É óbvio que The Falconeer não tem capacidade para lutar pela atenção do jogador neste momento, com tantos lançamentos a aparecerem, mas também não é um mau jogo, apesar de todos os defeitos. O facto de ser uma experiência original, com um estilo visual encantador e uma mecânica de voo quase terapêutica, tem também o seu peso. É verdade, por vezes irritámo-nos, e noutras ocasiões, bocejamos, mas existiram momentos em que nos perdemos na sua beleza. Não recomendamos necessariamente a sua compra, mas se tiver Game Pass, merece ser experimentado, senão já, mais tarde.

HQ
The FalconeerThe Falconeer
The FalconeerThe Falconeer
06 Gamereactor Portugal
6 / 10
+
Design muito bom. Excelente som. Conceito original.
-
Estrutura de missões é repetitiva. História deprimente. Prestações fracas dos atores.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

The FalconeerScore

The Falconeer

ANÁLISE. Escrito por Joakim Sjögren

Chegou recentemente ao PC e à Xbox com vontade de nos levar em grandes voos.



A carregar o conteúdo seguinte