Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
Gamereactor
análises
Call of the Sea

Call of the Sea

Viajámos para 1930 à procura do marido de Norah.

HQ
HQ

Para ter uma ideia de onde vimos em termos de gosto e expetativa, podemos relembrar que somos grandes fãs de The Witness, o jogo de puzzles na primeira pessoa de Jonathan Blow. Mas se há algo que temos de apontar a The Witness, é a ausência de uma história que dê maior contexto ao jogo, e que sirva de fio para o jogador seguir ao longo dos puzzles e das localizações. Call of the Sea oferece precisamente isso, uma narrativa interessante e emocional, que compensa o facto de não ser um jogo tão brilhante e vasto em termos de puzzles como foi The Witness.

Call of the Sea é a história de Norah, uma rapariga afetada por uma estranha doença, que se manifestou na forma de estranhas manchas nas suas pernas e braços. Norah está acamada, e a menos que algo mude, os seus dias estão contados. Com medicina ainda muito limitada em 1930, o marido de Norah, Harry, decide partir numa aventura para encontrar uma forma de curar a esposa.

Harry manteve-se sempre em contacto com Norah através de cartas, mas depois de meses de correspondência, as cartas pararam de chegar. É só depois de algum tempo que chega um último pacote, um pacote que inclui parte da solução para os problemas de Norah - insuficiente para a curar, mas suficiente para permitir que a rapariga se desloque à ilha onde está o marido, de forma a procurar respostas para a sua condição e encontrar Harry.

Ao chegar a esta ilha exótica, Norah começa a seguir os passos do marido e dos seus companheiros, começando entretanto a perceber que a própria ilha esconde um grande mistério - um mistério protegido por vários obstáculos na forma de puzzles. Estes puzzles começam simples, apresentando as mecânicas de jogo e o design ao jogador. Ao mesmo tempo, Norah e os seus diálogos internos oferecem mais algum contexto narrativo aos jogadores. É uma autêntica história de amor, sem grande profundidade, mas foi bem construída e é muito satisfatória. Em parte isso deve-se também à qualidade das interpretações dos atores, em particular de Cissy Jones, que interpreta Norah. Existem alguns problemas na direção dos atores, onde o tom das falas não bate certo com o que está a acontecer, mas isso não é realmente um problemas dos atores em si, mas do diretor.

Call of the Sea

Fora dos puzzles, Call of the Sea pode ser apelidado de um Walking Simulator, já que envolve caminhadas lentas e demoradas. Embora por vezes seja algo frustrante que Norah não caminhe mais rápido, apreciamos este tipo de experiência, já que acrescenta atmosfera e permite apreciar o detalhe do mundo de jogo. Jogámos a versão de Xbox Series X, que apresenta um grafismo de boa qualidade e muito relaxante.

O melhor que podemos dizer da estrutura de jogo é que, embora os puzzles sejam bons, foi a história que nos motivou a continuar. Isto não é uma queixa aos puzzles, mas um elogio à história e às personagens. Dito isto, não espere facilidades, já que a dificuldade dos puzzles começam a escalar rapidamente, obrigando a boa observação e raciocínio. Por vezes tivemos mesmo de desistir de um puzzle, mas depois de uma noite bem dormida e uma mente fresca, conseguimos sempre encontrar a solução. Só não apreciamos o facto de ser necessário revisitar vários locais à procura de pistas, sobretudo considerando o quão lenta é Norah.

Demorámos sensivelmente oito horas para terminar Call of the Sea, conscientes de que uma boa porção dessas horas foram gastas com os puzzles mais complicados, mas apreciámos o final desta aventura. Em parte, Call of the Sea parece-nos inspirado por Lovecraft, embora com uma abordagem menos sombria. No fim de contas podemos dizer que valeu a pena jogar e terminar esta aventura, e gostaríamos de a recomendar a quem aprecia jogos de puzzles e experiências narrativas ao estilo Walking Simulator.

HQ
Call of the SeaCall of the Sea
Call of the SeaCall of the Sea
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Uma história emocional com um final digno. Puzzles desafiantes. Design encantador. Boas interpretações dos atores.
-
A personagem caminha demasiado devagar. Direção dos atores não foi a melhor.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte